Beach tennis: popularidade do esporte aumenta incidência de lesões

Dr. Carlos Mattos – Criado na Itália nos anos 80, o beach tennis vem se popularizando cada vez mais no Brasil, como é o caso de Campinas, onde há inúmeras quadras para esse esporte que é uma mistura de tênis tradicional, vôlei de praia e badminton.

Por isso vale estar atento às lesões que podem ser causadas por movimentos do esporte e como preveni-las. No meu consultório tenho visto aumentar o número de pacientes com epicondilite lateral, ou cotovelo de tenista, uma lesão comum entre jogadores de beach e de outros esportes que utilizam raquete.

Essa lesão consiste, basicamente, em algumas fissuras no tendão (parte do osso que se liga ao músculo).
Os sintomas são: dor ou sensibilidade ao longo da parte externa do cotovelo e, em alguns casos, no braço todo.

O tratamento constitui-se em repouso e uso de gelo no local lesionado, além de fisioterapia, se os sintomas persistirem.

Outra lesão comum entre os praticantes de beach tennis é a lombalgia, que consiste em desconforto/dor na região da coluna lombar (região mais baixa da coluna). Essa lesão pode ser causada por um “mau jeito” nos movimentos de saque e de agachamento e é intensificada pela instabilidade gerada pela areia.

Para evitar essas e outras lesões é fundamental realizar atividades físicas acompanhadas de profissionais da área e, no caso do beach tennis, aprender a realizar os movimentos do jogo corretamente sem sobrecarregar o corpo.

Dr. Carlos Mattos é ortopedista, especialista em Cirurgia do Ombro e Lesões Esportivas, Chefe do Departamento de Ortopedia da PUC-Campinas e Diretor Clínico do Hospital PUC-Campinas.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.