Capsulite adesiva causa limitação dos movimentos do ombro

Dr. Carlos Mattos

Dor seguida de rigidez e limitação dos movimentos do ombro são os sintomas relatados por pacientes com capsulite adesiva ou ombro congelado, como essa lesão também é conhecida popularmente.

A capsulite adesiva é uma inflamação na própria cápsula articular do ombro, uma estrutura à base de colágeno que reveste a articulação e que é elástica e flexível, sendo responsável por dar estabilidade ao ombro. Quando ocorre a inflamação dessa cápsula articular, ela fica inchada, vermelha e espessa, limitando os movimentos e gerando dor.

Quanto às causas da capsulite adesiva, não se sabe exatamente por que ela surge, porém está relacionada a fatores genéticos e a reações autoimunes, além de ser muito mais frequente em pacientes com doenças hormonais como diabetes e hiper ou hipotireoidismo e pessoas que tenham hérnia cervical ou que permaneceram com o ombro imobilizado por longo período. Traumas e esforço repetitivo também podem levar à capsulite adesiva.

A capsulite se desenvolve em três fases: inflamatória, de rigidez e de descongelamento. A primeira fase, a inflamatória, é caracterizada por uma dor leve no início, mas que ao longo dos dias progride para dor intensa e limitante. A segunda fase é chamada de rigidez, que é quando há a perda progressiva dos movimentos do ombro acompanhada de dor de menor intensidade. Por último, a fase de descongelamento é a melhora progressiva da doença com a realização dos tratamentos, fazendo com que o ombro volte a se movimentar.

O diagnóstico dessa doença é feito através de exame físico, radiografia, ultrassonografia ou ressonância magnética. Após a confirmação, o tratamento consiste em controlar a dor e a inflamação, além de fisioterapia e bloqueios analgésicos para ganho de movimento e tratamento da dor. Em casos em que o tratamento conservador não traz resultados, pode-se recomendar a cirurgia.

Dr. Carlos Mattos é ortopedista, especialista em Cirurgia do Ombro e Lesões Esportivas, Chefe do Departamento de Ortopedia da PUC-Campinas e Diretor Clínico do Hospital PUC-Campinas.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.